César Pires afirma que candidatura de Edivaldo Holanda Júnior a governador é projeto do PSD nacional

O papel da oposição nas eleições de 2022 no Maranhão foi um dos assuntos da entrevista que o deputado estadual César Pires concedeu ao jornalista Clóvis Cabalau nesta quinta-feira (15), no Bom Dia Mirante. Ele declarou que a candidatura a governador do ex-prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior, faz parte do projeto nacional do PSD, coordenado no Maranhão pelo deputado federal Edilázio Júnior.

“A oposição foi reduzida no Maranhão, por não termos uma pré-candidatura própria ao governo estadual. Isso dificultou a construção de um projeto político no campo da oposição. Agora, a expectativa que temos é a possibilidade de uma candidatura nova, que é a do ex-prefeito Edivaldo Holanda Júnior, que poderá catalisar todas as forças de oposição, que não são poucas”, resumiu o deputado.

César Pires reafirmou que continuará sua trajetória na oposição, e confirmou que ingressará no PSD em março do próximo ano, na janela partidária. Mas fez questão de enfatizar que deixará o PV sem nenhuma mágoa, e que sou mudança partidária ocorre em decorrência das limitações partidárias do PV, em nível nacional.

Sobre a disputa majoritária de 2022, César Pires afirmou que a candidatura do ex-prefeito de São Luís é um projeto do PSD nacional, conforme afirmou o próprio presidente do partido, Gilberto Kassab, em encontro do qual participou em Brasília com o deputado federal Edilázio Júnior, dirigente da legenda no Maranhão.

Em seu projeto nacional, como quarto maior partido do Brasil, o PSD quer eleger 80 deputados federais e lançar candidatos aos governos estaduais e a presidente da República. “Edivaldo Holanda Júnior será o nosso candidato a governador, saindo da dicotomia Bolsonaro x Lula, com ideias novas.

Não temos atrelamento ao governo Flávio Dino. Temos nossas convicções e faremos de Edivaldo Júnior o próximo governador do Maranhão”, afirmou César Pires.

Revacinação

Na entrevista, César Pires voltou a defender a revacinação de idosos e profissionais de saúde que tomaram a vacina Coronavac contra o coronavírus. Embora reafirmando que a vacinação é necessária e segura, o deputado ressaltou que não se pode ignorar que alguns idosos, inclusive amigos dele, que receberam duas doses desse imunizante contraíram o vírus e morreram. “Não podemos fechar os olhos para essa realidade e defendo que as autoridades de saúde analisem essa questão com mais profundidade”, concluiu ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *