Connect with us

Polícia

Índio e madeireiro morrem em emboscada em terra indígena no MA

Publicado

em

Paulo Paulino “Lobo Mau” Guajajara morreu no local — Foto: Sarah Shenker/Survival International

Uma emboscada ocorrida na sexta-feira (1º) na Terra Indígena Araribóia, na região de Bom Jesus das Selvas, entre as aldeias Lagoa Comprida e Jenipapo, no Maranhão, resultou na morte do indígena Paulo Paulino Guajajara, também conhecido como o “Lobo Mau”, e de um madeireiro que também morreu na troca de tiros. A informação foi confirmada pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular.

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, disse por meio de uma rede social que a Polícia Federal irá apurar o assassinato do líder indígena Paulo Paulino Guajajara na terra indígena de Arariboia, no Maranhão. Moro falou em “crime grave à Justiça”.

Além da morte do indígena Paulo Paulino Guajajara e do madeireiro, que ainda não foi identificado, o líder indígena Laércio Souza Silva está gravemente ferido. Laércio Guajajara já foi hospitalizado, ainda de acordo com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Participação Popular.

Embiscada aconteceu na Terra Indígena Araribóia, na região de Bom Jesus das Selvas — Foto: Divulgação

Ao G1, o secretário de estado de direitos humanos e participação popular, Chico Gonçalves, disse que já está em Imperatriz com o secretário de estado de segurança pública, Jefferson Portela, e uma comitiva para tratar do assunto.

“Nesse momento estamos reunidos com as tropas locais para avaliar o quadro. Nossa missão aqui é investigar o assassinato do guardião Paulo Guajajara, o ferimento do guardião Laércio Guajajara e a morte de um madeireiro. Desde ontem uma tropa da Polícia Militar junto com lideranças indígenas se deslocaram ao local do conflito. Estamos aguardando o contato deles e vamos ampliar o apoio na região. Ao mesmo tempo o Laércio, que foi ferido, já teve o antedimento médico necessário para se recuperar. A orientação aqui do governo é apurar a responsabilidade e estabelecer medidas de proteção as lideranças indígenas, sobretudo aos guardiões, que neste momento protegem a floresta, porque há duas questões em jogo aqui: a proteção da vida das lideranças indignas nos seus territórios e a proteção das florestas no território amazônico”, disse.

Por meio de nota, César Muñoz pesquisador sênior da organização não-governamental internacional Human Rights Watch, pediu que as autoridades brasileiras realizem uma investigação completa e independente sobre o ataque para que os responsáveis sejam punidos. Além disso, ele pediu proteção imediata ao povo Tenetehara, do qual Paulo Paulino era integrante.

A situação na Terra Indígena Araribóia já havia sido denunciada pelo grupo indígena que acusava os madeireiros de ameaça. Segundo os indígenas, as ameaças aumentaram após a apreensão de veículos utilizados na extração ilegal de madeira nas terras indígenas.

A Terra Indígena Araribóia é composta por etnias indígenas Ka’apor, Guajajaras e Awá-Guajás. As três tribos fazem parte de um grupo chamado “Guardiões da Floresta” que é formado com o intuito de proteger a natureza. Eles evitam invasões de madeireiros, incêndio e durante uma ronda na terra indígena, eles encontraram acampamentos de madeireiros e veículos usados para transportar a madeira.

Por meio de uma rede social, o governador do Maranhão, Flávio Dino, disse que a “competência para apurar crimes contra direitos indígenas, em face de suas terras, é federal”. Disse ainda que “desde ontem a Polícia do Maranhão está colaborando com investigações sobre crimes na TI Arariboia”.

Fonte: G1MA

Publicidade
Deixar comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2015 - 2019 ÉMARANHÃO® - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
JOERI COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIA - CNPJ: 23.622.041/0001-15