Na mira do MPE, Zito Rolim e Pastor Max podem se complicar por não obedecerem as regras sanitárias contra o Covid-19 durante campanha eleitoral

Foram instaurados recentemente dois processos de investigação para apurar as condutas dos então candidatos, um a prefeito e outro a vereador nas eleições de 2020 em Codó. O Ministério Público Eleitoral fez vista grossa durante o pleito eleitoral, mas parece que o Promotor Doutor Carlos Augusto entendeu que as práticas dos candidatos: Zito Rolim (PDT) e Max Tony (PDT), não foram das mais recomendas, principalmente no contexto em que vivemos.

De novembro de 2020 para cá, o número de infectados em Codó pelo novo Coronavírus têm aumentado, inclusive este aumento pode estar associado ao comportamento dos candidatos se recusarem a acatar as normas sanitárias de distanciamento e isolamento social.

O que vimos nas eleições em Codó, foi um verdadeiro desespero por votos, onde nem Zito e nem Max estavam preocupados em usar máscaras e respeitar o distanciamento entre as pessoas, porque na hora do pedido de voto, parece que não tinha Pandemia e nem mortes.

Houve até um acobertamento no avanço ou redução de casos, o prefeito da época, Francisco Nagib, também contribuiu com a mazela. Vamos acompanhar caso a caso e em breve estaremos trazendo novidades sobre cada caso.

Acompanhe o ÉMARANHÃO® também pelo Instagram e pelo Facebook.

1 Comment

  1. São 2 contra Zito Rolim, 1 contra Max, 1 contra Zé Francisco e, provavelmente, 1 contra Gracinaldo.

    Outros políticos também estão na mira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *